Visitante nº

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

A PRESIDENTE DILMA E AS GREVES


MARIA BONITA, MULHER CORAGEM, COMPANHEIRA DE LAMPIÃO


Amanhã, dia primeiro de janeiro de 2011, o Brasil será governado por uma mulher. Não se trata de Maria Bonita, companheira de Virgulino Ferreira da Silva, o famoso Lampião dos anos 30, mas uma guerreira que lutou contra o Regime Militar. Ela foi presa. A presidente da República do Brasil, DILMA ROUSSEFF governará a nossa pátria , mãe gentil, por quatro anos. O presidente Lula está deixando o poder com forte índice de credibilidade.



Espera que o Brasil não seja uma Argentina. A presidente dos los hermanos, Cristina Kirchner, não goza de popularidade. Buenos Aires, o país vive sempre em greve.



Tomara que Dilma Rousseff seja a continuação do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, um nordestino de Pernambuco.



O oxente do nordestino vai ser trocado pelo uai do mineiro, afinal, a presidente da República é mineira.



quinta-feira, 25 de novembro de 2010

MINISTRO MANTEGA E A MANTEIGA DERRETIDA

O economista Guido Mantega - ministro da Fazenda de Lula e futuro de Dilma Rousseff


Ontem o ministro de origem Italiana - Guido Mantega - e futuro ministro da Fazenda da presidente da República - Dilma Rousseff, jogou duro, quando deu uma entrevista ao Jornal Nacional. Quem o entrevistou foi o repórter global - Heraldo Pereira.


Não podemos ser bobo da corte, quando o ministro fala, já ensaiou o pronuncimento com Dilma Rousseff.

Hão de chorar as Madalenas, as Helenas, as Marias, os Josés, os Manés e Joões.


Vejamos pois:


DO SALÁRIO MÍNIMO:


Heraldo Pereira: Salário mínimo, qual é o valor?

Guido Mantega: Salário mínimo , o valor é R$ 540,00. Não dá para subir mais, porque senão aumenta os gastos da Previdência.


Os olhos do ministro Mantega batiam mais do que sino de Igreja em tempo de procissão.


O ano de 2011 vem de austeridade e corte de gastos. Anunciou o ministro. E para a tristeza do funcionário público, segundo Guido Mantega: "Não há previsão de aumento pro funcionário."


Preparai-vos a manteiga vai derreter e a batata vai esquentar no tacho.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

JUÍZO FINAL

A juÍza Dulcineia, filha de militar. Nascera bonita. Na sentença, parte final do que se assentava, já dizia:
"CASO NECESSÁRIO, PODERÁ SER UTILIZADO AUXÍLIO DA FORÇA POLICIAL. No forum, quando a magistrada chegava, era um Deus-nos-acuda, os funcionários a temiam. Qualquer coisa por mais banal, a juíza fazia representação ao Corregedor.
Há um dito popular: UM DIA É DA CAÇA, OUTRO DO CAÇADOR." Outro dia, o advogado Thomaz fez uma representação ao Tribunal contra a juíza. Ela, que tanto cobrava dos outros, fez lambança em vários processos.
Depois da representação, a magistrada mudou o estilo, já não representava ninguém. E aprendeu:
QUEM COM FERRO FERE, COM FERRO SERÁ FERIDO."

O MUNDO É UMA PERDIÇÃO

O jegue rinchou às 3 horas da manhã. Dionísio tinha que meter os pés no mundo e ir embora para São Paulo. O dinheiro tinha conseguido da venda de uma vaquinha, presente de seu padrinho João Bebém.
O desejo de partir, se dependesse dele mesmo, não tinha, mas as circunstâncias lhe obrigavam. Fez nenhém com Verônica. A moça mais bonita do lugar, para complicar era de menor. O juiz de Direito, Dr. Lauro Pacheco , não perdoava: " ou casa ou vai para a cadeia." Pensava Dionísio:: " Nem cadeia, nem casamento, tenho que fugir, enquanto há tempo. " Seu João e dona Ingracinha dormiam, ainda cansados da feira de Simão Dias, que era no sábado. Tinha ambos ido a pé e voltado também da cidade.
A Feirinha da Rola sem luz, a claridade, naquele tempo , era do candeeiro, do lampião e da luz da lua. Que atraso! Mas o governador Sergipe era de Simão Dias, Dr. Sebastião Celso de Carvalho.
A notícia se espalhou na Feirinha da Rola, Verônica era uma moça perdida. Zé Malaquias, fofoqueiro de primeira linha, campeão da notícia de boca e boca , foi o maior responsável pela divulgação.
A beata Severina, virgem de corpo e alma, aconselhava as moças do lugar:
- Não ande com Verônica , pois é uma mulher perdida.
E as meninas daquele tempo, 1964, cumpria rigorosamente a recomendação da come hóstia.
Verônica chorava e o pai Anastácio:
- Cachorra, safada, bandida. Você ou casa ou vai para o cabaré do Bico-da-asa.
Verônica até pensou em se matar, mas lembrou de dona Lourdes, uma professora aposentada e religiosa:
- Minha filha, tudo tem seu tempo, diz as Escrituras. No momento de agonia, é preciso muita calma!
Verdade seja dita, Verônica não se arrependeu um tiquinho, até gostou de ter perdido o cabaço para o fugitivo. Medo tinha de ser lançada no olho da rua, de ficar com as pobres putas do cabaré do Bico-da-Asa.
Dionísio tinha 19 anos. Experiência com mulher nenhuma. Foi Verônica a primeira mulher que o sujeito papou. Quando menino transou com uma jega e também com uma bezerra. A bestialidade foi justicada em nome do tabu sexual da época. Coisa tão comum no interior do Nordeste Brasileiro.
Dionísio veio da Feirinha da Rola até Simão Dias a pé. Carro só milagre de santo macho. A sorte estava do lado de Dionísio, quando chegou na cidade dos capa-bodes, a marinete ia partir para Aracaju. O sujeito entrou no ônibus e conseguiu um lugar na janela. E lá ia Dionísio remoendo recordações, a queda do cavalo aos 8 anos, o chamego com os animais, o primeiro dia na escola.
o banho no rio. O primeiro prazer no banheiro. Tinha a impressão que ouvia de seu pai:
- Acorda, moleque, passarinho que não deve nada a ninguém já se acordou.
E o menino acordava para ir tirar o leite da vaca malhada.
Em São Paulo, os primeiros dias, dormiu na rodoviária, depois conseguiu uma vaga na pensão de dona Maria da Paz, uma viúva portuguesa, sem nenhum filho.
Anacreto, ajudante-de-ordem da pousada foi assassinado e dona Maria da Paz convidou Dionísio para trabalhar na pousada.
A velha Maria da Paz dizia aos hóspedes:
- Que tinha Dionísio como filho.
Só que todos sabiam , que Dionísio e Maria da Paz adormeciam na mesma cama.
Maria da Paz morreu do coração , mas deixou um testamento que favoreceu Dionísio.
Depois de 40 anos , Dionísio retornou à terra natal. Visitou a cova de seu pai e de sua mãe. Soube que Verônica passou uns dias no cabaré do Bico-da-Asa. Mas o cabo Jesus da polícia militar a levou como mulher. Tiveram três filhos: Anita e Silvia, professoras e André, oficial da polícia militar da Bahia.
Dionísio casou com a cearense Josefina. Do relacionamento, nasceram 4 filhas: Lindete, Josicleide, Maria e Dulcineia. Nenhuma casou, todas elas se tornaram mães solteiras. Duas netas de Dionísio: Sara e Cláudia engravidaram aos 13 anos. Dolores foi ser freira e Ana se amigou com Sandra.
E Dionísio sempre a dizer:

" O MUNDO É UMA PERDIÇÃO."

terça-feira, 23 de novembro de 2010

DÍVIDAS NOSSAS DE CADA DIA

Um cartão de crédito é uma tentação, o cheque também é uma tentação. Vivemos sempre atolados em dívidas. Até quando? É preciso dar um basta!
As financeiras, os bancos e os agiotas sempre festejam a crise financeira de toda gente, a cada novo dia, o povo fica mais pobre e eles cada vez, mais ricos.
Como acabar com as dívidas? Um bom passo é deixar de comprar a prazo, eliminar os cartões de crédito e extinguir o cheque, começando a fazer poupança.
A medida é radical, pior do que a mesma é esta ciranda das dívidas, que causa transtorno, estresse.
O primeiro passo é necessário.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

MORTE E VIDA NO ASSALTO


É preciso muita cautela e calma na agora que você está sendo assaltado. Por qualquer descuido, você pode morrer. Por favor, não reaja, o bandido vem para roubar e matar. A vida é mais preciosa do que o objeto perdido ou o dinheiro.

Observei vários depoimentos de meliantes e eles disseram que mataram , visto que houve reação por parte da vítima.

Vamos preservar a vida. Os bens são passageiros. Não lute com o bandido. Perca o objeto, mas não perca a vida.

Viver, viver, viver.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

PEQUENO SER


O crime contra criança e animal deveria ser inafiançável. Quando a gente tem um sítio, uma pequena propriedade rural ou uma fazenda e recebe a notícia que o animal morrera por negligência de quem possuía a obrigação de cuidá-lo, dá uma revolta danada.
Escrevemos este pequeno poema:

PEQUENO SER

Não festejem a desgraça
Do animal menino!
Criança, planta e animal são graças,
Indague ao Divino?
Que desatino!
Vi vermes que devoravam a carne
Do pequeno ser!
Ai, meu Deus! Jogado no pasto
Malditos maus vaqueiros!
O animal rinchava de dor e desespero!
Qual pobre menino
Abandonado ao relento.
E os desgraçados ainda riam festeiros!
Cedo ou tarde, chegará o dia,
Virá a resposta do divino,
Que bom o justo castigo!
Ó gente má, de agonia!
Morreu um inocente sem abrigo!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

VALADARES E DÉDA E A UNIVERSIDADE DE SIMÃO DIAS-SE


Aprendi a ler tardiamente aos 8 anos. Foi lá no Grupo Escolar Fausto Cardoso na cidade de Simão Dias-SE. Mas minha primeira escola pública foi no Grupo Escolar João Carvalho, vizinho aos sítio de seu Pierre Freitas. Boas mangas e excelentes cajus. Nós, os meninos, pulávamos a cerca. Hoje pular a cerca possui outro sentido. Furtar pra comer não é crime, ainda bem, que era o furto de menino, Furto famêlico.

No Grupo João Carvalho, minha primeira professora foi dona Josefina Carvalho, na outra escola, a professora era rígida, severa e ao mesmo tempo boa, dona Norma Vieira. Ou o moleque aprendia ou rachava.

Havia a disputa na taboada, quem acertasse a soma, subtração, divisão e multiplicação, dava umas boas palmadas em quem não acertou. Apanhei nos primeiros dias, depois tomei vergonha, aprendi a taboada. Vinguei-me de João de Maria Anita. Intimamente gritei:


"AGORA É MINHA VEZ."


A professora Norma Veira jogava duro. Todavia, elevava a nossa autoestima: " VOCÊ NÃO É BURRO, VOCÊ É INTELIGENTE. NÃO APRENDE, SE NÃO QUISER."

Com a professora dona Norma , aprendi a ler e foi obrigado, para não apanhar, a ter conhecimento da Tabuada.

Depois de repetir o primeiro ano, era assim que se dizia, fique afiado. Já no segundo ano, tornei-me o melhor aluno da sala, cuja professora - Valdice Teixeira Ramos.


Em Simão Dias, houve um melhoramento nas escolas e no nível dos professores. É pena que a cidade, terra do secretário de Educação e Cultura - Belivaldo Chagas; do governador de Sergipe, Marcelo Déda Chagas e do senador da República - Antônio Carlos Valadares, todos estudaram no Grupo Fausto Cardoso , não tenha um Pólo da Universidade Federal de Sergipe, que bem poderia ser de CiENCIAS SOCIAIS, que inclui o CURSO DE DIREITO. Na vizinha cidade de Papiriganga-BA há o curso de Direito, em uma FACULDADE PARTICULAR, que se paga caro.

O senador Valadares é bem provável que chegue a ser ministro da Presidente eleita, DILMA ROUSSEFF.


Simão Dias é uma cidade de Sergipe repleta de autoridades, mas o seu povo sonha com uma Universidade Federal. A Universidade além de libertar, traz empregos, desenvolvimento e progresso.

Não vivemos mais a política dos anos 30 dos chamados coronéis, o quanto pior é bem melhor.

Há um novo tempo. Valadares, quando governador, trouxe empregos e dignidade para o povo de Simão Dias, os chamados capa-bodes.

Com o poderio político da gente nascida em Simão Dias-SE, a cidade pode se transformar em modelo para o mundo.

O povo de Simão Dias não perdeu o sentimento nativista , sempre votou e vota em Valadares e Déda.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

DÉDA E A MORTE DA ÁRVORE

O MEU PÉ DE LARANJA-LIMA é um romance de José Mauro de Vasconcelos. Grande sucesso na televisão e no cinema. Já foi traduzido para vários países.
Um livro indicado para crianças e adultos.
Meu filho, Marcos Vítor, de 8 anos, já leu.



Eu me era menino em Simão Dias, interior do Nordeste brasileiro, quando vi uma máquina, roncando, derrubando as árvores na praça de São João, praça do cemitério, da delegacia e do hospital, que meu pai, sempre de bom humor, a chamava de praça dos Três Poderes . Confesso que chorei. Lá na praça , nós, os meninos, brincávamos à sombra das grandes arbutos: o pé de tamarindo, oiti, o pé de figo (ficus), eucalipto. Só faltavia O MEU PÉ DE LARANJA-LIMA e o menino Zezé que conversava com a laranjeira . Obra do escritor José Mauro de Vasconcelos . Na praça da tragédia, tinha também um campo de futebol. Bom de bola mesmo era Pelé, filho do padeiro Ananias.


A vida da passarada e dos meninos estavam na praça. Pobres aves! Vi o pia do Bem-te-vi, vi um casal de rolinhas voando, um cardeal, apesar da tristeza, não perdeu o seu canto. Era na praça que o vaqueiro Celino passava com o pobre boi, para morrer no matadouro. Coitado! Muitos bois davam trabalho, intrigavam com o vaqueiro, o instinto animal avisava a infeliz morte e assim , sabiam do cruel destino.


Hoje, escuto numa rádio , não tive nenhuma preocupação em saber o nome da mesma, o protesto de uma bióloga, que o INSTITUTO BANESE vai derrubar um oiti centenário. O governador de Sergipe, dr. Marcelo Déda Chagas, é da mesma infância, brincou na praça, viu o vaqueiro Celino, ouviu o canto do passarinho, bem poderia em nome da natureza, gritar ao presidente do BANESE não assassine o OITI.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

GUERRA ENTRE SERRA X DILMA

DILMA ROUSSEFF E JOSÉ SERRA


Quando eu me fui menino no interior, saía com outras crianças atrás do Palhaço de circo que já não me lembro o nome.
O prêmio para cada menino era o ingresso grátis.
Lá ia o Palhaço pelas ruas de Simão Dias-SE e nós, meninos no cortejo.
O palhaço:
- Hoje tem espetáculo?
Os meninos:
-Tem sim, senhor!
- Nove horas da noite?
- Tem sim, senhor!
Hoje vai haver um debate na tevê Globo entre os candidatos à presidência do Brasil, JOSÉ SERRA, um paulista; e Dilma Rousseff, uma mineira.
Isto me faz lembrar o tempo de criança:
Onde o palhaço indagava e os meninos respondiam.
O palhaço de circo prometia aos meninos e cumpria, dando os ingressos.
Logo mais à noite começa o espetáculo: GUERRA DE ACUSAÇÕES, PROMESSAS, UM COLOCANDO DEFEITO NO OUTRO.
Quem melhor representar conquistar votos no domingo 31 de outubro.
O palhaço, apesar de risonho, brincalhão, não enganava as crianças.
Depois do poder, será que o presidente ou a presidenta eleita vai enganar o povo?
E, nesta hora, o povo é palhaço ou menino?

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

ANJO OU DEMÔNIO NA PRESIDÊNCIA DO BRASIL


Domingo, dia 31 de outubro, o povo brasileiro vai escolher entre o homem, José Serra, ou a mulher, Dilma Rousseff, o presidente do Brasil. Um ou outro será o presidente. É pena que o polvo que acertou o campeão da copa do mundo, morreu.
Ainda bem, que a campanha não partiu para a baixaria: "VOCÊ, DILMA, É OBESA; VOCÊ SERRA, É MAGRICELA." Mas a campanha de ambos é do salve-se quem puder, guerra de defeitos. De um lado, a turma de Dilma diz: "Serra vai privatizar a Petrobrás, já a gente de Serra fala: "Dilma já privatizou o pré-sal a empresas estrangeiras.
A campanha de Presidente do Brasil transformou-se em Torre de Babel, uma confusão danada, ninguém se entende.
Segundo Jung: " Em cada um de nós existe um outro que não conhecemos. Ele dirige a nós em sonhos e conta como ele nos vê de modo diverso daquele que nós nos vemos." O que se vislumbra é que todo ser humano possui um anjo.
A italiana Paola Giovetti escreveu um bom livro ANJOS. O obra cita vários casos, provando a existência do Anjo.
Há sempre o outro, quando se trata do mundo político, este outro não é o anjo, mas dona perfídia.
Quando o sujeito chega ao poder, a promessa é jogada no rio Tiête ou no Rio São Francisco.
Nos anos trinta, havia a política CAFÉ COM LEITE, ou era escolhido como presidente do Brasil, um paulista ou um mineiro. Getúlio Vargas deu um Golpe, ele era gaúcho.
Dilma é mineira; Serra é paulista. Tomara que no futuro não haja a política Café com Leite. O Nordeste já foi preterido, nem o vice de Serra é nordestino, nem o de Dilma.
A campanha de Presidente não é de anjos. Todo ser humano possui defeitos. Na alma humana, o perfeito não existe.
Se houver a incorporação do Polvo Paul, ele bem poderia demonstrar quem vencerá domingo, por enquanto é só esperar.

domingo, 24 de outubro de 2010

SANGUE NO LENÇOL

Escrevi este poema em homenagem a minha querida professora Tânia Meneses, revisora de meus livros.
A professora Tânia encontra-se neste momento em Madrid. Saudações cordiais, Osvaldo Abreu

Até que poderia chamá-la de perdida,
Dama-da-noite, estrela solitária,
Sem exagerar diria: mulher de minha vida!
Não vou buscar tal caminho...
A tua perturbação deixou mágoa!
Noite inteira, tu sempre em meu lençol...
Magricela, a morder meu corpo!
No instante, só tu ao meu lado.
Aí, houve metamorfose,
Virei assassino, cometi pecado!
'Inda bem que a notícia não chegou ao jornal,
Crime passional!
Mas veio o advogado
No Tribunal do Júri
E gritou: Legítima Defesa.
Salvei-me!
Assassinei uma magricela,
Pernas de cambito,
Dei um grito
De alivio,
Não vou me esconder,
O Júri em seu veredicto
Ofertou a sentença: Absolvido.
Matei um inseto,
Bandida, descarada, safada,
Perturbou-me noite inteira,
Deixando profundas marcas,
Também o corpo ficou ferido.
Agora me sinto bem melhor,
Assassinei , afinal, uma muriçoça,
Sangue no meu lençol.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

BOCA VIRGEM

Estudei no Grupo Escolar Fausto Cardoso, escola pública, lá na cidade de Simão Dias-SE, às 10 horas da manhã , era o nosso recreio.
A ideia de brincar com os meninos partiu da coleguinha Neide. Meninos corriam atrás das meninas, quando conseguissem pegar, podia beijar. Apesar da idade, a brincadeira possuía um dom de malícia.
Quando a direção soube, mandou acabar com a brincadeira.
Naquele tempo, havia tabu sexual, triste fim duma menina que se entregasse ao namorado. Era chamada de perdida.
Hoje, deseja ofender uma menina de 13 anos na escola, chame-a de BOCA VIRGEM.
A beata Gracinha, virgem da cabeça aos pés, diz sempre:
- É O FIM DO MUNDO!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

MARINA E PILATOS

As pesquisas mentiram dizendo que Dilma Rousseff ganharia no primeiro turno para presidente do Brasil. A vontade do povo gritou mais alto, vai haver segundo turno entre Dilma e o ex-governador de São Paulo, José Serra.
Confesso que marinei e marinaria , caso Marina Silva fosse para o segundo turno.
A melhor proposta dos candidatos era a de Marina.
Além de eleitor de Marina, tornei-me um fã, daquela moça que fala macio, tão magrinha, que não aguenta uma ventania soprada em qualquer parte do Brasil. Todavia, a professora Marina é uma guerreira. Alfabetizou-se quando tinha 16 anos.
Competente senadora que não se curvou aos grandes.
Fico cá torcendo que Marina Silva não lave as mãos, dizendo que não apóia nenhum um, nem a outra.
É preciso embutir as propostas do Partido Verde no Projeto de quem ela apoiar para presidente do país verde-amarelo.
O verde tem que escolher ou José Serra ou Dilma Rousseff. A omissão é coisa de Pilatos que sacrificou o grande mestre Jesus.
Marina, não podemos demolir a sua estátua.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

REVELAÇÃO DO CASAMENTO


Fingir era com Dulcinha mesmo. Atrás daquele voz macia tinha um mar em turbilhão. Dona Beatriz , quando sua filha noivou:

- Dulcinha, se Abelardo souber quem você é no íntimo, lhe deixa na porta da Igreja.
Respondia ela:
- Minha mãe , os homens são abestalhados, da mulher autêntica eles fogem como o diabo corre da cruz.

Dona Beatriz:
- Dulcinha, é melhor ser autêntica, dizer o que pensa, pois depois que a máscara cai, não há como levantar, isso, minha filha, eu tenho muitos exemplos, é por isso, que hoje em dia, o casamento não dá certo!

Dulcinha casou com Abelardo, o casamento não durou seis meses.
Nas brigas do casal, dizia Abelardo:
- Pensei que estava casando com uma mulher decente, casei com uma víbora.
Os xingamentos eram de ambos.
E dona Beatriz:
- Minha filha, seu pai era raparigueiro, safado, sem-vergonha, mas nunca passei na cara. Via nele sempre as virtudes. Hoje , estou viúva, vivemos por mais de 50 anos.
Ele elogiava sempre a minha comida.
Para sobreviver ao casamento é preciso ver as virtudes e não os defeitos. Elogiar faz bem.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

A INDESEJADA MORTE

EVITA PERON - A ARGENTINA AINDA HOJE CHORA A SUA MORTE


De repente, você acorda e recebe a má notícia, morreu sua mãe, seu pai, seu filho, seu irmão, seu amigo.
O choro é estampado no semblante. Quase ninguém está preparado para a morte.
A morte iguala todos sem discriminação. Todos irão ao mesmo caminho da sepultura. Não há privilégio nem do pobre, nem do rico.

Escrevemos um poema a INDESEJADA MORTE:

NÃO LAMENTES A PARTIDA DERRADEIRA,
JÁ FOI,
FOI A HORA DA DESCIDA NA LADEIRA.
BOA HORA INEXISTE!
NÃO FIQUES TRISTE!
VOA A FLOR,
VOA A FOLHA,
VOA AO VENTO.
NADA CHEGA ANTES,
É O TRISTE INSTANTE.
NÃO HÁ A MÁ SORTE!
TODOS SEGUIRÃO O CAMINHO
DA INDEJADA MORTE...

domingo, 5 de setembro de 2010

A PUTA E A SANTA

OBRA DE TINTORETO


Há um conflito gritante n'alma feminina ou é a santa ou é a puta. Se é a santa, ele pode procurar a puta; se é a puta, ele procura a santa. E, nesta confusão, a mulher não sabe: se é a santa ou se é a puta.
A PUTA E A SANTA
Poema de Osvaldo Abreu

Gotas de orvalho
Caídas duma planta,
Ilude!
No vermelho do lençol,
Nenhum homem deseja a santa,
Almeja a puta!
Bem melhor!
E na luta entre uma e a outra,
A mulher vai ao hospício,
Enlouquece, fica louca!
Aí vem o conflito,
Coisa de mulher:
"Sou a santa
Ou sou a puta."
E, quando se é totalmente a santa,
O homem viaja
E vai buscar tantas...

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

O ESTUPRO E O SUICÍDIO DE ZEFINHA

Josefa Maria Bragança de Assis de Oliveira Castro era o nome verdadeiro de Zefinha. Nome e sobrenome grandes, parecia parente de Dom Pedro, segundo ou primeiro, você quer saber demais, nos mínimos detalhes, mulher é assim mesmo gosta das coisas mais detalhadas.
O nome Zefinha odiava, gostaria de ser chamada de Anne, soaria a título de romance. Zefinha, apesar do nome feio, era uma moça bonita. Seios avantajados, pernas longas, arcas grandes, cabelos longos. Zefinha falava mansamente, ouvi-la dava prazer.
Zefinha desfilando na rua, homens e mulheres a olhavam. Era boa de ver. Zefinha era uma moça religiosa. Mas não noivou com Jesus, desejando ser freira. Quem assim fez foi sua prima Beatriz, decepção amorosa. Gostava de Manoel e este casou com sua irmã Dejanira. Coisa da vida!
Zefinha fez uma jura a si mesmo:
"Só dou a Carlos depois do papel e da aliança."
Carlos, mulherengo, safado, descarado, sem-vergonha, até que tentou tirar a calcinha, mas a moça não deixava. Intimamente Carlos: "Ainda como esta bandida."
Carlos ficou noivo de Zefinha. O sujeito pensou que com o noivado e ia possuí-la. Ela mandou que ele tirasse o cavalo da chuva.
E dizia:
"Carlos, a gente só faz amor , depois de casar."
Zefinha era professora. Onze horas da noite, esperava Zefinha o ônibus de volta para sua casa, quando , de repente, surge Jeremias , um viciado em crak. Furta o celular da moça e ainda a estupra.
Zefinha não contou a ninguém o que ocorrera. Três dias depois se mata.

sábado, 21 de agosto de 2010

VIDA E SOLIDÃO


Estás só,


Por favor, não queiras dó!


A nota musical é sol:


Sol nascente


Sol ao entardecer.


O sol não morreu!


Vê o encanto do arrebol...


O sol adormeceu!


Noutro dia vem melhor!


Tu és sol,


Luz e vida.


Não chores, querida,


Não lamentes o adeus.


A primavera chegou,


Uma flor nasceu.


Tu suspiras,


Possuis alento!


Contratempo?


Coisa da vida...


Viva, viva, viva!


Fugiu aquele instante,


Viver sempre o momento.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

FORÇA NACIONAL E EXÉRCITO EM SERGIPE

Desembargador Luiz Mendonça, presidente do Tribunal Regional Eleitoral de SE (TRE), natural de Itabaiana-SE, ex-promotor de Justiça, ex-secretário de Segurança Pública de Sergipe. No Tribunal de Justiça, sempre é o gabinete mais visitado pelo povo e pelas autoridades. Um homem de vida simples.

Não tome como surpresa, nas eleições do pequeno Estado de Sergipe, a chegada da Força Nacional e também a presença do Exército, afinal o desembargador Luiz Mendonça, que sofrera um atentado de morte na quarta-feira, é o presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE).


Embora muitos acreditem que não seja um crime político, prevenir é bem melhor.


Quem viver verá a presença da Força Nacional e do Exército!


Surpresa é a ausência!

domingo, 15 de agosto de 2010

O SUICIDA E O ANJO DO SENHOR


Fausto passou a noite com insônia. Ninguém poderia imaginar que aquele homem calado, que quase todos habitantes, daquele cidadezinha do interior, acreditavam que era calmo. Se soubessem que a alma de Fausto vivia em turbilhão! A esposa faladeira, briguenta. A beata Zefira dizia:

- Suportar Jó só Fausto, o homem nasceu para ser santo.

Anair, sua colega de hóstia, replicava:

- Santo, que nada, homem são todos iguais. Os calados possuem um demônio por dentro. Jô é que é mulher de verdade, o que sente diz.

Quem poderia imaginar que Fausto ia fazer uma besteira com a sua vida. Quando morre um suicida vem logo as justificativas:

"Estava desempregado." "Não suportava a mulher." "Nasceu para se matar." Interessante seria se o defunto viesse dizer o porquê de sua morte. Será que numa sessão espírita o morto vem falar? Fé, religião e futebol não devemos discutir. Ponto de vista de cada um deve ser respeitado.

Jô, logo cedo, levou sua filha Gabriela, de 4 anos, à escolinha Pequeno Príncipe. Ela, professora municipal, tinha uma revolta danada contra os prefeitos e xingava:

- Os filhos dos cabruncos são todos iguais. O bom prefeito nasceu morto para o funcionário. Em

campanha política, o blá, bláblá, depois do poder banana para o eleitor. Jô sempre votava nulo de vereador a prefeito; de deputado, senador a governador.

Fausto resolveu se matar. Por sua mulher, pensava, "eu nem aí para ela", mas por sua filha não, criança não merece sofrer. Amava Gabriela. De Jô, não podia dizer o mesmo, vivia por viver. Relacionamento íntimo, nem no sonho. Fausto há muito tempo estava desempregado. Em casa,

fazia os serviços de empregada doméstica, lavava, cozinhava, limpava o banheiro, varria a casa.

Estava cansado da vida doméstica.

Ainda ouvia de Jô:

- Só para mim, além de ganhar mal, sustento vagabundo.

Fausto ouvia tudo em silêncio, todavia, falava consigo mesmo: "Cachorra, se esta bandida fosse pagar uma empregada doméstica."

Jô se irritava com o calar do esposo:

- Filho-da-puta, diga alguma coisa?

Ninguém em casa, só ele e o cachorro Sansão.

O animal estava triste. Fausto acariciou Sansão e chorou. Sansão balançava o rabo.

Chegou o momento, de se matar. Pego a corda, que amarava Sansão, colocou no pescoço. Nesta hora, ouviu um grito da criança:

- Não faça isso, a vida é um dom divino!

"Jô não podia trazer minha filha agora."

Tirou a corda do pescoço e foi se trancar no quarto.

Depois de duas horas, sua mulher e sua filha chegaram.

Fausto em confusão mental:

"Meu Deus, a criança que eu vi foi um anjo do Senhor."

Depois daquele dia, Fausto mudou de vida. Voltou a trabalhar e todos os domingos estava na Igreja com a sua filhinha Gabriela.

-

sábado, 14 de agosto de 2010

BUENO DOMINGO

Já é domingo cidade. Acorda, minha gente. Domingo de futebol no canal sempre a mesma coisa. Domingo de praia, de maniçoba numa cidade do interior, a comida dá sustento ao sujeito, parece uma feijoada, o prato é feito de mandioca. Qualquer coisa pergunte aos meus primos Élber e Gordinho lá em Simão Dias~Se, terra em que nasci. Você viu aquele menino ruim de bola, agora é governador, o sujeito é torcedor do Flamengo, depois que Adriano foi embora pra Europa e também com a prisão do goleiro Bruno, o time vai de mal a pior. Quem está sempre sorrindo é meu filho Marcos Vítor, sorriso de criança , sem perfídia, sem falsidade, o garoto é torcedor do Fluminense, o melhor do Rio. Quem duvidar, observe a tabela, não é a tabela de fim de mês de Zefinha não, é a do Campeonato Brasileiro.
Cheguei de Buenos Aires na terra Araras e dos Cajus, a nossa capital Aracaju, um temporal danado, o piloto demorou a chegar no solo, ficou no ar por mais de meia-hora. E o coração na sua batida tic-tac, tic-tac. Na descida, um ai , meu Deus. Que bom! Deu tudo certo.
Buenos Aires é cidade de vida noturna. Ao ir a Buenos Airres, cuidado!!! Nas lojas sempre verá:
PROMOCIÓN. Eu, como bicho do mato, sempre desconfiado, indagava a mim mesmo será!!!
O comércio tem destas coisas, informa vantagens. E o pobre do consumidor pensando que vai sair na melhor, dança, a dança de quem já dançou. Toma, diz o pão duro. Este é miserável, o dinheiro é para gastar e desfrutar.
Para quem diz que dinheiro não traz felicidade, por favor, dê-me e seja feliz.
Por mais e ademais, bom domingo, imitando os argentinos:
"BUENO DOMINGO!"

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

O CABARÉ DO BICO-DA-ASA


Quando José Manoel chegou à cidade de Simão Dias, tinha o sujeito Zé Mané, era assim que era chamado por todos os que o conheciam, 14 anos. Veio lá das bandas do povoado Feirinha da Rola, que Feirinha da Rola continua na boca do povo, para alguns metidos a mudar o nome, já assentado pelo povo, chamam de São Domingo. Nem sábado, nem domingo, na voz do povo é Feirinha da Rola, lugar da ilustre cabra Bita que acompanha funeral. Quem duvidar vá conhecer a senhora Cabra Branca. Ela já possui uma canção, composição e poema de Antenor Nunes.



Mas vamos ao Zé Mané. Ele veio donzelo para a cidade. Mulher nua só conhecia na imaginação. Saber o que o cavalo fazia com a égua, bem sabia, muitas vezes assistiu o cavalo em cima da égua. Seus olhos de menino miravam de admiração, quando o cavalo com fúria saciava o cio da fêmea.

O sonho de Zé Mané conhecer uma mulher nua, mostrando os peitos. No sábado de Aleluia, quando na praça barão de Santa Rosa Judas era queimado, foi o dia que o donzelo conheceu a pequena Bisqui no cabaré Bico-da-Asa. Quem levou o menino para perder o cabresto foi seu tio Bartolomeu, recém chegado de São Paulo.

E Zé Mané chegou ao prazer tão rápido que a pequena Bisqui gritou:

- Ó menino, você é parente de coelho?

O menino, ainda na inocência dos tempos dos cabarés de Simão Dias, respondeu:

- Sou não, moça!

Bisqui ria e como ria!

- Mocinho, quem dera, deixei de ser virgem há cinco anos, hoje sou a pequena dama do cabaré.

Enquanto isso, a vitrola tocava uma música de Waldik Soriano: Eu Não Sou Cachorro Não.

Zé Mané é avô, de cabelos brancos, se pudesse o tempo voltar atrás, queria estar de novo no cabaré do Bico-da-Asa.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

TRAÍDOS E TRAIDORES

QUADRO DE CARAVAGGIO - A PRISÃO DE CRISTO - Século XVII.

A traição é inerente à alma humana. Seu cavalo, seu gato, seu cão - eles não traem. A mulher sempre com medo da traição do marido. O medo da traição persiste no dia a dia de uma fêmea. O grande Nélson Rodrigues, torcedor do meu Fluminense, já se foi, mas continua eterno, escreveu a peça teatral : "Perdoe-me por mim traíres." Alguém outro dia disse:

- Nélson é cruel.


Nélson Rodrigues não é cruel, bom jornalista, escritor, ele relata a VIDA COMO ELA É...

Na política, alguns políticos estão reclamando que estão sendo traídos pelos seus pares. Nenhuma novidade.

É o tempo de "SALVE QUE PUDER.""


E o eleitor que foi traído pela f'alácia do político? Chegou o tempo de dar o troco. Não votando no enganador.

Dá-se daí o equilíbrio da balança. Não confunda com vingança.


Bom aviso é o que disse Cristo: "MALDITO HOMEM QUE ACREDITA NOUTRO."




sexta-feira, 6 de agosto de 2010

VOCÊ ESTÁ VIVO


Ainda há tempo de você modificar a sua vida,


Você está vivo!


Por mais que seja sua vida sofrida,


Ainda há tempo,


Você está vivo!


Só não há solução para quem já morreu!


Você está vivo!


Para ler um livro,


Plantar uma árvore,


Brincar com o seu filho,


Você está vivo!


Para ver o sol nascer


Quem sabe à tarde


Contemplar o arrebol,


Dormida do Sol.


Você está vivo!


Para não se entregar,


Para não se render.


Acomoda-se é morrer!


Você está vivo!


Para modificar a sua vida,


Há um Deus dentro de você,


Há um anjo de luz.


A depressão é instantânea,


O surto vai embora,


Sorria!


A via vai melhorar


Por favor, não chora!


Você está vivo!


É tempo de modificar!


Você está vivo!


quinta-feira, 5 de agosto de 2010

A JEGA DE MANEZINHO

Quando a jega de Manezinho morreu lá numa cidade do interior do Nordeste brasileiro, Manezinho foi ao padre:
- Padre, eu amava ela. Ela foi minha companheira por mais de 15 anos. Estivemos sempre juntos no roçado. Ela me levava a todos os cantos. Logo de manhã, eu trepava nela e ia buscar água na fonte.
O padre:
- Que falta de respeito, Manezinho, que imoralidade dentro da Igreja, você falar trepar!
- Padre, o senhor tá pensando outra coisa. Pensa outra coisa é coisa de quem não conhece as coisas.
- O senhor já trepou numa jega?
- Manezinho , me respeite!
- Padre, lá onde eu moro, trepar é montar no animal para ir à roça.
- Ai sim, Manezinho, tá bem!
O padre ainda:
- O que lhe trouxe aqui?
- Padre, na vida eu só tinha minha jega e as 20 tarefas de terra. Eu queria que a minha jega fosse enterrada no cemitério onde foi enterrada a finada Zefa, preciso de sua autorização?
- Manezinho, você está doido! Enterrar sua jega no cemitério! Não autorizo de jeito nenhum : você enterrar o animal no cemitério São João Batista.
- Tá certo , padre. Vou enterrar o animal nas 20 tarefas que eu ia deixar para a Igreja. Como o senhor está me negando o sepultamento, posso mudar de idéia!
- Manezinho, tudo tem um jeito, só não há remédio para morte. Enterre seu animal na cova da finada. Mas não diga a ninguém que eu autorizei.
E a jega de Manezinho foi enterrada no cemitério dos animais racionais.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

CARTA DE UM PAI NORDESTINO


Meu filho,
Cheguei em Buenos Aires às três horas da manhã. Se fosse por aí numa cidade do Nordeste brasileiro provavelmente um galo cantaria num quintal qualquer. Aqui nenhum nordestino canta de galo, fica igual pinto pelado tremendo de frio. Ainda ontem o termômetro marcou quatro graus na madrugada. O homem da televisão falou que daqui para sábado o termômetro vai atingir quatro graus negativos.
Quem pensou que os argentinos só beijavam uns aos outros no futebol, se enganou. Aqui o beijo é comum entre os homens. Se inventarem tal tradição em nosso Nordeste de cabra macho! Imagine nos anos 30, Lampião beijando seus companheiros - cangaceiros. O que poderia dizer Maria Bonita?
Nas ruas de Buenos Aires, casais dançam o tango para turista. Os de bom coração ofertam uma moeda. O peso é o dinheiro da Argentina. O nosso real vale mais do que o peso. Um real vale dois pesos. Aí está nossa vingança: o peso, houve um tempo, valia mais do que o nosso real. A coisa mudou!
Aqui sempre a gente vê as passeatas de protesto.
O argentino quase não come feijão. Não venha fazer inveja lembrando de nosso cuscuz, nossa farinha, nossa carne-de-sol.
Meu filho, ainda hoje o professor de Direito Internacional mostrou um mapa do Brasil e lá estava o pequeno Estado de Sergipe, o maior lugar do mundo para bem viver.
Meu filho, quase que eu ia esquecendo do voo até Buenos Aires. Como sempre a turbulência, esse treme-treme do avião , é nesta hora que o cabra valente também treme.
Uma saudade danada de nosso sol, de nossas praias, do bate-papo com os amigos.
Não é à toa que o poeta já dizia: " que o nosso céu possui mais estrelas."

sábado, 31 de julho de 2010

BOTECO DO FERREIRO CAFÉ

Boteco do Ferreira Café


Estou de malas prontas, o boteco do Ferreiro bem parece com os bares de Buenos Aires: um bom vinho, um bom chopp.


Hoje fui ao Boteco do Ferreiro Café e escrevi um poema:


BOTECO DO FERREIRO CAFÉ


No boteco do Ferreiro Café,


A vida corre mais relaxada!


Um bom vinho!


Que tal um chopp?


Grita o gentleman Luís.


A moça bonita passa,


Exalando o seu perfume francês.


Sem querer,


A gente torna-se freguês.


Um conversa aqui,


Outro papo acolá,


Conversa de boteco


É mais proveitosa!


Chega o poeta;


O funcionário público;


Vem o empresário;


Em riso, o poítico;


Não se pode olvidar o povo.


E a moça bonita?


Enriquece o ambiente!


A vida torna-se diferente...


Pra que pressa de chegar...


A conversa varre a madrugada.


O boteco do Ferreiro Café


Que chamego!


Que cafuné!


Tudo vai longamente,


A noite criança


Brinca madrugada.


Ao se olhar o relógio,


Raiou o amanhecer, nova jornada.



Fênix-fogo


Quatro horas da manhã, um galo canta num lugar qualquer. No céu, a estrela Dalva, grande inspiradora dos poetas, registra sua presen;ca no firmamento. Tenho que viajar mais uma vez a Buenos Aires. Tomara que não haja turbulência no voo, é quase utopia a nâo existência da mesma.
Onde se encontra o cantor cearense Belchior? E aquela letra da música que dizia: "fOI COM MEDO DE AVIÃO QUE EU SEGUREI PELA PRIMEIRA VEZ EM SUA MÃO."
Na copa de 1998, na França, o Brasil, naquele tempo, também fracassou. Viajei a Paris. Nossa turma não conseguiu assistir nenhum jogo ao vivo, não conseguimos ingressos. Na hora turbulência, lembrei do cantor cearense, ao meu lado uma mulher que não possuía mãos.
Voltamos ao Brasil sem lenço, com o documento passaporte perguntando: quando vai voltar? Não mais retornei à França. Tenho que mudar de assunto. Que bom! Chegou a inspiração de um poema:

A RUA SOL

A rua Sol habita o vento.
De quando em tempo,
Voa uma folhinha de papel.
Um menino barriga de verme
Brinca de esconde-esconde.
A rua Sol foi recanto de prostituta,
A lua sempre fazia clarão,
A estrela brihava na terra
Não mais que a do céu.
Do alto, descia o firmamento.
A rua Sol foi de movimento,
Foi de contentamento.
Pobre rua,
Encontra-se só.
Tão sozinha, tão solitária.
Um pássaro voando,
Carecendo duma galha,
Pra fazer um pouso.
A rua Sol, moço,
É a rua da nossa vida,
Uma lágrima escondida,
No mar, um barco sozinho,
Um passarinho voando
Em busca de abrigo, ninho.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

DÉDA E JOÃO NA PROCISSÃO

Hoje dia 26 julho de 2010, tempo de eleição em Sergipe e no Brasil, vai haver a procissão da padroeira da cidade de Simão Dias-SE, Nossa Senhora S'Antana. O cortejo começa 'as 4 horas da tarde.
O povo e sua fé a gritar:
"SALVE , SALVE SENHORA SANTANA,
PADROEIRA DE SIMÃO DIAS (...)
O político, alheio a fé de um povo, seguirá o grande cortejo atrás da Santa.
Na primeira fileira, o governador de Sergipe, Marcelo Déda Chagas, com os seus aliados: Senador Valadares, Jackson Barreto, Amorim, o prefeito de Simão Dias, primo do governador, Denisson Déda.
Em outro flanco: O ex-governador de Sergipe, Albano Franco, Míriam Ribeiro, o homem das bandas - empresário Fabiano Oliveira.
Noutra fileira, ex-governador de Sergipe, Dr. João Alves, com ele: Pedrinho Valadares, o deputado Federal José Carlos Machado , o também deputado Federal Mendonça Prado.
Déda e João são candidatos a governador de Sergipe. Amorim, Valadares, Albano e Zé Carlos Machado são canditados a senador. Dos quatro, sobrarão dois. Quem souber , por favor avisar!
É a hora e vez do povo dá o troco. Prometeu e não cumpriu. Voto não tem.
Ou Déda ou João será o governador.
A eleição não está definida.
E o povo continua:
"Salve, Salve Senhora Santana"
Será que político vai pro céu?
A procissão vai continuar e o político esquecido da Santa, vê no poder o céu.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

E TU, IDIOTA!


É preciso viver mais intensamente. Tudo é fugaz. Fizemos este poema E TU, IDIOTA!


A vida corre no fio,
No rio vermelho,
No relógio tic-tac...
A qualquer instante
Um grito, um ataque,
Uma enxurrada de lamento,
Um frio vento
Bate à porta.
Um corpo estendido,
Vida, vida, ó vida,
Metamorfose morta!
E tu, idiota,
Esqueces de viver,
Ver o sol nascer,
O fim-de-tarde,
O arrebol,
Uma criança a brincar,
Corre a bola, futebol.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

E AGORA, DÉDA?

Belivaldo Chagas - Secretário de Educação de Sergipe e Marcelo Déda Chagas - Governador

Várias cidades do interior de Sergipe tiveram Cinemas: Itabaiana, Simão Dias, Lagarto, Estância, Frei Paulo. Em Simão Dias-SE, terra do governador de Sergipe, Marcelo Déda Chagas, havia dois cinemas: O cine Teatro Ypiranga e o Brasil. O Ypiranga era o proprietário seu Pierre Freitas, já falecido, pai da ex-secretaria de Educação de Simão Dias, dona Virgilinha Andrade. O cine Brasil cujo dono Antônio Borges. O filme poderia não prestar , mas homem sempre dizia que era do arromba.
Às quatro horas da tarde, aos domingos, lá vinha o seu Antônio Borges com uma lanterna acesa, perguntando:
- Quem foi o fio do cabrunco que gritou!
A grita era geral dos meninos de minha infância. Ninguém acusava ninguém. O velho Antônio tinha pavor de gritos.
Os dois proprietários já se encontram no cemitério São João Batista na praça de São João em Simão Dias.
O menino, de ontem, Marcelo Déda também ia para o cinema. Hoje, o cabra é pai de cinco filhos, de cabelos brancos, pertencente ao clube dos coroas de 50 anos. Déda morava na mesma rua Coité, rua de mais de trinta e cinco viúvas. É isso mesmo lá os homens morrem primeiro. A rua do Coité, está dividada parte é Getúlio Vargas e outro flanco é governador Sebastião Celso de Carvalho, mas para a velha guarda , que tomava banho no Chora-menino, a rua continua do Coité.
Em nome da modernidade, assassinam as construções antigas, vê lá a velha prefeitura, o fórum, o mercado da carne, que tinha o nome de talho. Construção do avô de Déda, Carvalho Déda, lá em 1934.
Triste fim: O cine Ypiranga foi demolido. O cine Brasil, o prédio ainda continua, cujo proprietário é Elizevaldo.
O governador Marcelo Déda , juntamente com o secretário de Educação, Belivaldo Chagas, ambos bem poderiam dar uma boa notícia a gente capa-bode de minha terra, desapropriando o prédio do cine Brasil e transformando-o em Teatro e Cinema Zeca Déda.
Zeca Déda, avô do governador, era um homem voltado para a cultura. Escreveu livros, possuía o jornal a Semana. A homenagem não é subserviência, puxa-saquismo, é dar valor a quem possui.

Ainda há tempo. A ideia está lançada e agora, DÉDA?

ELIZA SAMUDIO - COISA DO DESTINO

ELIZA SAMUDIO NA GRAVIDEZ

No mês de outubro do ano passado, a modelo Eliza Samudio pediu a punição do goleiro Bruno do Flamengo no terceiro Juizado de Violência Doméstica do Rio de Janeiro, cuja juíza é a doutora Ana Paula Delduque de Freitas. A alegação de Eliza é que ela tinha sofrido agressão por parte de Bruno. O pedido formulado fora negado.

A Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) ligada à Presidência da República emitiu nota lamentando a não aplicação da Lei Maria da Penha:
" É triste constatar a não aplicação desta Lei por parte de seus operadores, uma vez que foi criada especificamente para proteger as mulheres da violência doméstica."
Há uma pergunta no ar: A morte de Eliza poderia ser evitada? Será que estava escrito no livro do Destino que Eliza veio ao mundo para se assassinada?
Indaga-se ainda, porque alguns seres humanos morrem cedo e outros tarde?

Possui a resposta?

quinta-feira, 8 de julho de 2010

MORTE DO GOLEIRO BRUNO DO FLAMENGO



Ninguém pode negar que Bruno Fernandes das Dores de Souza é um bom goleiro do Flamengo. Ele nascido em Minas Gerais no dia 23 dezembro de 1984, deve completar 26 anos no período natalino.
O bom goleiro é doravante um morto-vivo, a carreira vai para o beleléu. Quem não se lembra do cantor Lindomar Castilho, grande sucesso, depois que assassinou a sua esposa, o cabra se arrombou! A palavra é esta mesma, para que eufemismo. Igual destino está reservado para o Bruno das Dores. Os patrocinadores já estão rescindindo o contrato. A boa imagem do patrocinador dever ser preservada.
Pobre Elisa Samudio! Desaparecida desde o dia 4 de junho. O menor, em seu depoimento, disse que o corpo de Elisa fora jogado aos cães.
O bom goleiro, agora é pichado como assassino. Bruno que tem o nome das Dores. É o causador da raiva, da ira, da decepção e da revolta. Mas não deve ser julgado precipitadamente, sob pena de injustiça. Cautela não faz mal a ninguém.
Antes de morrer, Elisa deu uma entrevista, encontra-se na internet, que fora torturada por Bruno. O homem queria que a estudante abortasse o filho que ia nascer. A criança nasceu. Briga judicial. A Justiça, como sempre, morosa.
Outra briga, quem vai ficar com a criança. O avó ou a avô da modelo Elisa. São divorciados.
Em alguns muros de Minas Gerais e do Rio de Janeiro: BRUNO ASSASSINO.
A vida de Elisa Samudio foi ceifada. A carreira de Bruno também morre. O filho do casal crescerá com problema. Superar o trauma , com a palavra os psiquiatras e psicólogos.
E a criançada do faz-de-conta que nas peladas de futebol, quando no gol, dizia:
- Eu sou o Bruno.
Já não pode dizer.
Ninguém pode matar ninguém. A vida é um dom de Deus.
Pela opinião pública, Bruno já está condenado!
Bruno é inocente ou culpado? Julgar não é fácil. É preciso apurar mais e mais. O leva crer, o indício não é verdade real.
Osvaldo Abreu é torcedor do Fluminense.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

UM MORTO-VIVO

O homem com o crack torna-se um morto-vivo.


É preciso viver o instante, como se não viverá o amanhã. Beijar e abraçar a pessoa amada. Vê o sol nascer. Contemplar o arrebol. Brincar com o seu filho. Torna-se criança.
Semear a boa semente. Ajuda a velhinha que deseja atravessar a rua.
Dançar, pular, correr.
Mudar o modo de vida.
Ainda há tempo.
A maldita morte quando chega, não anuncia.
Suas pequenas coisas serão jogadas na rua.
Ainda há tempo.
Viver, viver, viver.
Segue o nosso poema VIVER:

O tempo corre...
O vento frio vem...
A cada dia, a gente morre!
A inesperada chega
Sem o apito do trem.
Não há nesga,
O que a gente possui:
Lembranças, valores no baú,
A mão alheia sem reluz
Atira tudo na rua,
Presente para os urubus.
Devemos afugentar a fase da lua.
E, neste vai-e-vem,
É mister viver,
Antes do sol posto.
Mas viver, viver sempre...
Para não se tornar um vivo-morto.

domingo, 4 de julho de 2010

PROMESSA NÃO CUMPRIDA DO POLÍTICO

No Filme: O PAGADOR DE PROMESSAS, Zé do Burro, quer pagar a promessa que fez a Santa Bárbara pela recuperação de seu animal.

A Lei de Ficha Suja já está em vigor. O político que foi processado e condenado por um colegiado, não pode ser candidato.

A partir da próxima semana já começa o horário eleitoral. Ouviremos pelo rádio e devemos assistir pela televisão , candidatos e candidatos lançando promessas que não podem ser cumpridas.

Quem nunca foi vítima de uma promessa política?

É preciso uma Lei que barre o estelionato eleitoral, o candidato que prometer e não cumprir , deve ser punido e condenado!

Assim, afastaremos os trambiqueiros, hipócritas, falsos profetas da política.

O homem deve ter a palavra de honra, que não a possui, não merece o voto.

Diga não ao Zé, Mané, Chiquinho, Viriato, Severino, Bastião .

O voto é sua arma. O não voltar na turma da promessa é o combate.

Duro neles!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

VALADARES E O JOGO DO BRASIL

Kaká foi expulso no jogo Brasil x Costa do Marfim.


A política é o jogo de São Severino, jogam homens, os jogadores blefam. E, por ser jogo de São Severino, só não joga o menino. O bobo não política ainda está para nascer.

O senador Tonho que acrescenta Valadares - Tonho Valadares - para a gente da cidade de Simão Dias, terra em que nasceu o senador Antônio Carlos Valadares, é um grande mestre, mestre é pouco, doutorado em saber traçar a o baralho da política.

Em 1990, o senador foi chamado de Senhor Acordão, fez um acordo onde o deputado Federal Albano Franco tornou-se senador da República e João Alves Filho, governador de Sergipe. O seu filho por consideração, Belivaldo Chagas, foi eleito deputado Estadual e seu sobrinho, Pedrinho Valadares, deputado Federal.

Em 1994, foi eleito senador e continua até hoje.

Estamos em 2010, o senador Tonho é candidato à reeleição. Sempre nas pesquisas para o senado, o capa-bode de Simão Dias é o primeiro.

Tonho Valadares não gostou muito de Belivaldo Chagas ser preterido como candidato à reeleição ao cargo de vice-governador. O deputado Jakson Barreto, do PMDB, foi o escolhido pelo dr. Marcelo Déda Chagas - governador do estado de Sergipe.

Percebe-se agora, que o senador Valadares não está blefando, quando disse que é candidato a governador do estado em 2012.

Escolheu bem o seu suplente que é o ex-senador da República - José Eduardo Dutra, PT, que fora um dos melhores parlamentares no senado Federal.

Dutra é o coordenador da campanha de Dilma Rousseff, candidata a presidente da República.

Caso seja reeleito senador , olha Valadares aí de novo. Em 2012, com o apoio do PT é candidato a governador. O partido dos trabalhadores não possui outra opção, afinal o suplente é do PT.

O homem sabe entrar numa casa pela frente e pela cozinha. Não é semeador do ódio. Não é difícil torna-se governador - mais uma vez.

Já pensou em 2012: VALADARES do PSB X JACKSON BARRETO do PMDB?

O blogueiro prefere pensar no jogo de amanhã pela Copa do Mundo, às 11 horas, Brasil x Holanda.

E a Argentina? Não me xingue não, homem de Deus, depois do meu Brasil, meu segundo time é a Argentina. Não estou sou no Brasil. Vá em Pernambuco, há uma cidade chamada Buenos Aires, a torcida lá para os irmãos argentinos é grandiosa.

O gostar da gente é racional ou irracional?

Fique matutando!!!!

Ka, ka, Kaká, marque o gol, senão o juiz vai lhe expulsar.


terça-feira, 29 de junho de 2010

É PRECISO TENTAR

A ENCRUZILHADA É UM PERIGO.

É preciso dar o primeiro passo. Dúvida, talvez, não sei deixam a alma em turbilhão. Na vida há o caminho estreito e o largo, ou segue o curto ou o longo. A incerteza assassina o espírito, maltrata, causa ansiedade.
Todos nós devemos decidir: ou por um caminho ou por outro. E se não decidir, pode acontecer , o que ocorrera com aquele pescador que ficara no meio do mar, não sabia se ia para a esquerda ou para a direita. E veio o tubarão e comeu o indeciso pescador.
Acertos e erros fazem parte do nosso dia a dia.
O primeiro passo é necessário.
Tente, lembrando o eterno Raul Seixas:
" Tente mais uma vez, pois a água viva ainda está na fonte."
É melhor o fracasso porque se tentou, do que o comodismo de não ter a iniciativa.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

RESPEITE O FORRÓ




É preciso mais respeito com as festas juninas. Determinados cantadores em São João é falta de respeito ao povo. Outro dia , numa cidade do interior, vi uma dupla Maria Cecília e Rodolfo cantando o Balão Mágico da Xuxa. Tocar carnaval em São João é falta de bom gosto ou não saber respeitar a maior festa dos Nordestinos - o Forró.


Bom cantor é Gilberto Gil. Em tempo de São João, Gil é agredir os amantes do forró Pé-de-Serra.


Do jeito que a coisa está indo , no próximo ano , não se assuste com banda de pagode, axé e outras coisas.


O nosso céu já foi lindo. Ó Luiz Gonzaga:


"Ói pro céu , meu amor, vê como o céu está lindo."


Luiz, mande esta turma respeitar Januário.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

ALGUM PROBLEMA, DUNGA

DUNGA, técnico da seleção brasileira, bem raivoso.


O Brasil venceu a Costa do Marfim, cujo placar foi 3 x 1. Na entrevista coletiva o técnico da seleção brasileira, DUNGA, xinga o jornalista Alex Escobar. O repórter da Globo fora xingado de cagão, besta, puto.

A globo não mostrou ao mundo a leitura labial. É claro, é ruim para a imagem do Brasil.

Hoje, o Brasil joga com Portugal às 11:00 horas.

Se por acaso o Brasil perder para Portugal, o povo brasileiro vai xingar o técnico Dunga.

Minha amiga Zefinha do Abacaxi, pessimista de carteira, acredita que o Brasil perde para Portugal. O placar de Zefinha: Portugal 2 x 1 Brasil.

Não apostamos no placar Brasil x Portugal, ficamos até com receio, o já ganhou é perigoso. Na última entrevista do Dunga , o raivoso técnico fala da saúde de seu pai.

Lá na Copa do Mundo da França, segundo a turma do Brasil, o Ronaldo adoeceu. E o Brasil voltou sem o caneco.

O Brasil joga sem Cacá, provavelmente sem Elano.

Estamos torcendo para o Brasil, mas sem a segurança do Brasil da Copa de 1970 no México, quando eu menino na cidade de Simão Dias, pulei, gritei com a vitória do Brasil. Brasil 4 x 1 Itália. Ouvi pelo rádio. Televisão havia em algumas casas: de Dr. Aguiar, dona Letícia e Cipriano. Mais chuvisco do que a imagem.

Tudo mudou na cidade do interior. Só para melhor.

Algum problema, Dunga, em não acreditar na seleção brasileira?

quinta-feira, 24 de junho de 2010

PUTA DE MINHA VIDA

TEREZA BATISTA CANSADA DE GUERRA, romance do grande escritor baiano Jorge Amado. O livro de Jorge fala dos cabarés de Aracaju-SE.
Escrevemos há muito tempo este poema, quando estudante de Direito.
PUTA DE MINHA VIDA
Teus lábios de luzes de cabaré,
Ó fêmea, teu desejo quer-quer.
Tua volúpia ardente,
Um bêbado desejando mais aguardente,
O vício sempre o machuca.
A alma indomável,
Cio incontrolável,
Almeja a cachaça maluca.
Teus seios, que pétalas!
Colibri a beijar.
Uma criança chora,
Quer peito
Todo ser possui defeito...
A carne enfraquecida,
Que ilusão o celibato!
O desejo não é demoníaco
Do poeta há o grito:
"Puta da minha vida!"

Poema de Osvaldo Abreu

segunda-feira, 21 de junho de 2010

O CACHORRO DO SECRETÁRIO

CHICO XAVIER E A CACHORRA BONECA


O vice-governador e secretário de Educação de Sergipe, Belivaldo Chagas, tinha um grande cavalo branco, da raça manga larga. O cavalo era um animal cabra macho, de grande vigor sexual. Filhos do cavalo são muitos. O vice sempre autorizava o cruzamento do animal com as éguas dos amigos. O sujeito quando queria vender um animal, para valorizar a venda dizia:

- Este cavalo é filho do cavalo branco de Belivaldo.

Há informação que o cavalo branco fora vendido.

No início do governo de Marcelo Déda, o cachorro Pitoco, do filho do governador, fugiu. Uma agonia em palácio. A guarda deve ter ouvido uma mensagem não agradável do governador. O cachorro passou uns dias com os cachorros de rua. No seu instinto animal, o bichinho sofreu com a angústia e o sofrimento dos animais e os meninos que dormem ao relento. Para alegria da gente palaciana, o animal foi encontrado.

O médium Chico Xavier tinha uma grande amiga, a cachorra Boneca. O animal sempre o recebia com alegria.

No Palácio de Despachos, dia 18 deste mês, posse do vice-governador - Belivaldo Chagas - como secretário de Educação. O atraso é comum, quando se trata de autoridade. Mais de uma hora de sem a chegada do governador e seu vice.
A autoridade sempre chega tardiamente. O povo sempre fica na expectativa. A expectativa acelera adrenalina. A turma do cerimonial:
- Obrigado Deus, ainda bem que chegou!

Em seu discurso de despedida, o ex-reitor da Universidade Federal de Sergipe e ex-secretário de Educação, José Fernandes de Lima, agradeceu a todos, inclusive, é claro, ao governador Marcelo Déda. Mas não olvidou de agradecer a uma animal muito especial, o seu cachorro Jones. O animal quando o homem chegava cansado, angustiado com o dia a dia da secretaria de Educação , Jones fazia festa em recebê-lo.

Os animais não traem. Dos homens e mulheres a gente não pode dizer o mesmo.

Em se tratando do poder , há tanta traição.

E VIVA JONES, O CACHORRO DO EX-SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

SÉRVIA DERROTA A PODEROSA ALEMANHA


Na vida como no futebol o inesperado acontece. A Sérvia venceu no dia de hoje a poderosa seleção da Alemanha, cujo placar Sérvia 1 x 0 Alemanha.
Vê lá nos escritos bíblicos o pequeno David venceu o gigante Golias.
Há tanta gente que se acha.
Na política, há o erro do IBOPE e de outros institutos. De repente, vence quem não estava apontado na pesquisa.
VIVA OS GUERREIROS SÉRVIOS!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ARGENTINA E O BEIJO

MESSI, o melhor jogador do mundo de 2009.


Hoje, dia 17 de junho às 8h30 , Argentina x Coreia do Sul. No gol da Argentina vai haver o beijo. Pensava eu que o beijo argentino só ocorria no futebol. Lá em Buenos Aires e em toda Argentina , os homens cumprimentam uns aos outros com o beijo.


O povo Palestino cumprimenta também com o beijo. Indaga-se o beijo de Judas Iscariotes foi de traição ou de tradição?


Depois do Brasil, a seleção que eu torço é a Argentina. Possui raça e garra.


Há muitos argentinos que gostam da nossa seleção, existindo brasileiros que adoram a Argentina. Mas a maioria é de mandar vaias e vaias.


Gosta é assim mesmo: a gente gosta de quem não gosta da gente. É coisa do coração!




quarta-feira, 16 de junho de 2010

FRACASSO DO ATLETA

Bartira era a moça mais bonita do lugar. Quem, quem não desejava Bartira? Olhos negros da noite, cabelos longos, corpo de uma deusa grega. Sob os conselhos de uma rezadeira, usava uma figuinha. Dizia dona Zefa:
- Minha filha, a pior inveja é de mulher. O homem lhe olha desejando. A sua coleguinha lhe secando.
E, na Igreja de Nossa Senhora S'Antana, Bartira foi se casar. Marcos era seu futuro esposo. As moças do povoado Feirinha da Rola, não estranhe o nome não, o nome é esse mesmo, sonhava na alcova com Marcos. O cara era um atleta, rosto feminino, até os machão o chamavam de bonito.
No dia de sábado, a Igreja de Simão Dias estava repleta. Moças curiosas e invejosas querendo ser a noiva. Até a beata Zifinha:
- Meu Jesus de Nazaré, com este homem eu perderia a minha virgindade.
O padre Josué perguntou se alguém tinha alguma coisa contra aquele casamento.
A vontade das moças era gritar que Sim.
O casamento foi realizado.
Dona Letícia, moça velha do lugar, disse:
- Um par perfeito.
Na hora da lua-de-mel, Marcos, o bonitão do lugar não conseguiu marcar o gol da partida.
Bartira virou a noite em insônia, enquanto o desgraçado dormia como criança.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

COISA DA VIDA

Cágado e a lebre.


Ninguém gosta de ser esquecido, colocado em segundo plano. Ser reserva não faz bem a nenhum jogador. O bom mesmo é ser titular. A alma humana fica magoada, com ira. O perdão às vezes acontece, perdoar da boca para fora é prática comum.

Quem nesta vida nunca foi preterido?

Escrevemos COISA DA VIDA:

Por ti fui preterido,
Tornei-me pássaro de asa quebrada!
No silêncio fiquei escondido
De alma machucada!
Não penses que fui vencido.
Há vida, há jornada...
Quem atira pedra,
Fica esquecido!
Quem as recebe,
Do atirador espera mancada!
Às vezes na corrida
O cágado vence a lebre,
Coisa da vida!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

INFÂNCIA DA VIDA

Em todo mundo, há sempre uma criança abandonada. Até quando?



Quem nesta vida não se recorda da infância?
A vida no interior, no tempo em que nasci, era tranquila.
Hoje, os pais devem acompanhar os filhos até à escola. Na esquina, pode se encontrar um pedófilo, um homem oferecendo droga.
A cidade do interior perdeu a tranquilidade. No campo, os marginais estão atacando. Pior do que no tempo de Lampião, os meliantes estão sempre encapuzados. Os poetas da Inconfidência Mineira - vida bucólica do campo - iam morrer de tédio nos dias atuais.
Escrevemos o poema INFÂNCIA DA VIDA:

A infância querida
Ou bem amada
Sempre retorna à vida:
Uma cidade estagnada,
Uma folha caída,
O almejo duma namorada,
Uma última partida,
A primeira viagem na marinete,
Primeiro dia na escola,
Uma criança que chora.
E aquele pivete,
Filho de Nossa Senhora S'Antana,
Que brincadeira!
No cabelo chiclete.
O dlim... dlim... dlim...
Do sino da Igreja
Convidando os fiéis.
Belém... belém... belém... belém...
Vem... vem... vem... vem...
As velhinhas de anéis...
A procissão de Santana,
Um louco no cortejo comendo banana.
A menina de pé no chão
O pai, coitado!
Não tinha dinheiro não
Vai sem sapatos
Fingindo promessa!
O beato Nestor,
Pobre homem já viajou!
Acordava os meninos
Que sonhava com os bois de barro.
Ai , ai, Aleluia,
Ladainhas e rezas.
Faltou água na cuia
Os banhos no Chora-menino,
O rio bem criança,
Envelheceu, se contaminou,
Quando entrou na cidade.
Maldita poluição!
Chora dona Iaiá,
Está morrendo o rio Caiçá!
O homem de calças longas,
Sua árvore cresceu...
Vive em agonia,
Gotas de alegria!
No dia a dia,
Retorna à infância:
O amanhecer, a aurora.
É um menino que chora
No primeiro dia da escola.

sábado, 5 de junho de 2010

ISABELLA - ERROS E CONTRADIÇÕES PERICIAIS

ISABELLA


Segundo o médico alagoano George Sanguinetti, quem assassinou a criança Isabella Nardoni, morta em 29 de março de 2008, foi um pedófilo:
"Sim, quem matou Isabella foi um pedófilo. As lesões encontradas no seu órgão genital são iguais a de uma criança abusada sexualmente. Ela caiu sentada, como afirmou a perícia paulista, não teria lesões como as que ficaram em seu corpo. "

Ana Carolina Oliveira, mãe de Isabella, entrou na Justiça de São Paulo com uma Ação de Indenização por Danos Morais no valor de R$ 100 mil reais, visto que o médico Sanguinetti escreveu um livro : A MORTE DE ISABELLA NARDONI: ERROS E CONTRADIÇÕES PERICIAIS que deverá ser publicado ainda neste ano.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ


Um dia, o amanhã chegará sem manhã.

Todas as manhãs os raios de sol trazem a luz, mas haverá uma manhã - execeção com pingos de choro, grito e lamento. Todavia, o que anima é que o mensageiro da luz banha o dia de amanhã.

O amanhã do trem da vida, que vai além e espalha na estação saudade: lágrima. Ele não discrimina. Todos são escolhidos: do velho ao moço; do moço ao velho.

O relógio do trem marca a hora e bem anuncia o apito da partida.

É preciso não olvidar - devemos fazer do hoje o ÚLTIMO ADEUS, afinal, o dia de amanhã não conhecemos. Só bem sabe o Altíssimo. Vamos acordar do sono profundo, há o dia da matéria, um corpo haverá de partir.

Sim, amanhã é sem manhã. Em seu dia determinado não haverá fugitivo. Ninguém pode escapulir do instante fatal. Sendo assim, vamos colher a flor, semear a boa semente, correr, pular, brincar como criança e, para pessoa amada, enquanto houver alento dizer:


- EU TE AMO.

Antes que não haja mais tempo. O momento é agora!

Do livro Ninguém Morre, Luciano. Autor Osvaldo Abreu.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

TUAS LEMBRANÇAS

Quadro de CÂNDIDO PORTINARI




Guardei comigo as tuas lembranças,
Folhas amareladas,
Desgastadas pelo tempo.
Poderia jogá-las,
Seria desprezo meu,
Afinal, tuas pequenas coisas
São grandiosas.
Penso, a qualquer momento,
Que estás voltando,
Abrindo aquela porta
Como sempre tu fazias
E gritas:
- Cheguei.
Era uma festa a tua chegada.
O semblante banhava de sorriso!
Igual a um menino ,
Sorrias com as pequenas coisas.
Quando tu ficavas sério,
Eu indagava a meu anjo:
"O que está acontecendo."
De repente, que bom!
Fugia a tristeza na velocidade de um raio,
Um raio de sorriso surgia,
Tu retornavas a sorrir!
A nossa casa já não é a mesma...
Desde que tu partiste,
O seu cão faleceu,
O passarinho morreu,
A roseira, que tu aguava com carinho,
Perdeu as folhas
Coitada! Na primavera,
Não botou mais uma flor.
A roseira está morrendo aos poucos.
E o colibri do fim de tarde,
Que cheirava a rosa,
Não mais voltou.
O menino, que tu brincavas,
Sofreu um acidente
Já não corre mais.
Coitadinho! Pra lá e pra cá
Com a sua cadeirinha de roda.
Tudo mudou, depois que tu partiste...
O teu rádio,
Que tu varrias madrugada,
Ouvindo Dolores Duran,
Está no canto,
Esperando o teu retorno.
Já não fala
Já não chia.
O gato fofão
Já não mia,
Perdeu o grito do telhado!
Êta! Animal barulhento
Quando fazia amor!
Sem tesão, está emagrecendo.
A qualquer instante,
A má notícia.
Muitas vezes, quando a porta abre,
Vejo a tua imagem...
Loucura
Ou a chegada de teu espírito
Não sei ao certo!
Sinto a tua presença,
Um perfume chega as minhas narinas.
Nunca conheci perfume tão bom!
Sempre indago a Deus:
Por que tu foste tão cedo?
O Senhor nunca me responde.
É compreensível, há tanta gente
Fazendo pedidos.
Continuo te aguardando,
Na esperança de abraçaste,
Beijaste.
Se eu morrer na ilusão,
Não sou mais um,
Afinal, a vida é uma incógnita,
Repleta de incertezas.
Certeza maior,
A partida do último adeus.

Escrito por Osvaldo Abreu

quarta-feira, 26 de maio de 2010

VOCÊ NA IDADE

A POETISA CORA CORALINA
Cora Coralina - poetisa brasileira - nasceu no Estado de Goiás, escreveu seu primeiro livro depois dos 70 anos.
A juventude de hoje, no amanhã será a velhice. Chegar nela, nos tempos atuais, não é coisa fácil, a gente vê a droga, a violência, o assassinato. A intranquilidade e a falta de segurança são manchetes do dia a dia.
Ao lembrar da poetisa Cora Coralina, escrevemos estes versos:
Bem tardinha,
Boquinha da noite,
No canto da Ave-Maria,
A pobre velhinha faz sua oração;
Coração saudade
Ai , ai, outrora
Tocava uma viola
No salão, casa de taipa
Conversa farta
A luz do candeeiro
Claridade duma vela
A lua de clarão
Iluminava o terreiro
Um vaga-lume ligeiro
Lançava pingos de luz
Se olhava pro céu
Contava-se estrelas
A moça pedia
Um rapaz em casamento
Foi embora a primavera
Murchou a flor
A velha que você olhou
Não carece de piedade
É a folha que o vento levou
Você na idade.

Poema de Osvaldo Abreu

CHICO XAVIER, VITÓRIA E ZEZÉ


Em 1968, o escritor brasileiro - JOSÉ MAURO VANCONCONCELOS - escreveu um livro MEU PÉ DE LARANJA LIMA, bem vendido em todo mundo e que se tornou novela e fime de sucesso.

É a história de Zezé, uma criança não compreendida pelos adultos. Ele fala no quintal de sua casa com o Pé de Laranja Lima.

O menino Zezé possui uma amigo o português Manuel Valadares, o Portuga.

Esta observação é nossa: Quando Zezé fala com o Pé de Laranja Lima, ali está presente um espírito invísivel que o menino não consegue enxergar.

Acredita-se que a história de Zezé é do próprio autor, de pais nordestinos que fogem para o Rio de Janeiro, buscando uma vida melhor. O autor nasceu em Bangu, viveu no Nordeste, Rio Grande do Norte.

Na infância de Chico Xavier ele fala com sua mãe que falecera e conversa com o espírito Emmanuel.

Chico Xavier e Zezé são crianças pobres.

Vitória, uma criança filha de milionário, que aos três anos vê e conversa com o Anjo Anástácia.

Não é fácil para uma criança está vendo o sobrenatural e os outros imaginando que é doidinha. Na idade média e em outros tempos, muitos foram enviados para o hospício por familiares, eles achando que uma mãe, uma irmão, um filho estava louco.

Vitória, um paradoxo, tinha tudo e nada tinha. Sonhava brincando com outras crianças, andando de pé no chão. Desejava não está sendo vigiada por guarda-de-segurança.

No Filme de Chico Xavier, surgiu em mim uma indagação: Viajar cedo ou tarde é coisa do destino? Vejamos:



JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS viajou aos 64 anos;

CHICO XAVIER com mais de 90 anos;

A PEQUENA VITÓRIA antes de completar 8 anos.


VOCÊ POSSUI A RESPOSTA?

segunda-feira, 24 de maio de 2010

UM MINUTO SÓ, SUICIDA.

CRIANÇAS BRINCANDO DE RODA - Quadro de Thoma Der kinderreigen - 1872.

Um minuto só, suicida. Todos nós temos problemas. Se você acha que o dinheiro dinheiro vai resolver seus problemas. O que acha daquele milionário que perdeu sua pequena filha, ele daria tudo que possui para trazê-la de volta?
Um minuto só, suicida. Cristo orienta "ORAI E VIGIAI."
Um minuto só, suicida. Se o médico passou um remédio para a sua depressão, por favor, cumpra a prescrição médica.
Um minuto só, suicida. O sobrenatural existe. Deus deu ao homem o dom da vida. Você não vai querer ofender ao Senhor.
Suicida, seu filho está lhe chamando, ele grita:
- Te amo, papai, você é minha vida!
Suicida, não mate também seu filho.
Que bom! Você desisistiu.
O seu cachorro está latindo, o passarinho cantando, uma rosa brotou no jardim.
Sorria, JESUS TE AMA.
O surto foi embora, a vida é boa. Veja nas pequenas coisas: Uma criança a sorrir, um pássaro a cantar, uma semente a brotar.
Meu amigo, a vida não finda por aqui.
Você deixou de ser suicida, agora você é amante, sim, amante da vida!

sábado, 22 de maio de 2010

UM CÃO EM PARIS

O médium brasileiro Chico Xavier e sua cadela Boneca

Nas principais capitais do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, muitos cães são abandonados pelos seus ingratos donos. Um cão , um gato, uma criança precisam ser adotados. Para se conhecer o ser humano é preciso saber : se gosta de planta, criança e animal.
Quando me estive em Paris, não vi cães abandonados. Vi em bons restaurantes o cão ao lado de seu dono. Nas ruas de Paris, senhoras com um saquinho plástico limpando o que o animal expeliu.
Em terras brasileiras, as madames não devem deixar nas ruas as fezes de seus animais, afinal, uma criança abandonada pode pisar. Leis municipais devem regulamentar, com as devidas sanções.
Escrevemos UM CÃO EM PARIS no livro Corpo e Alma, pág. 22, edição esgotada:

UM CÃO EM PARIS

Um cão dialogando com o outro:
- Colega, que discriminação!
O nosso nome, às vezes, é pejorativo,
Quando o ser humano em discussão,
Conosco mostra-se esquivo.

O outro:
- Vê aquela briga
De um homem com uma rapariga:
Ele a chama de "cachorra"
E ela de "filho de uma fila."

O cão:
- Vou me embora pra Paris,
Lá a gente é mais gente,
Chamar-nos-ão "Nobre Clien."
Monsier amor por nós sente!

O outro:
- Se eu pudesse também me ia,
Estou chateado com o meu dono,
Vive rabugento, sarnento.
Não se cuida, dorme no abandono!

Poema de Osvaldo Abreu

sexta-feira, 21 de maio de 2010

A VINGANÇA DO BOI


Todos às vezes que o boi via o fazendeiro, o coração do animal acelerava. Desde de bezerro que o animal sofria os maus-tratos. Agora, o boi já era adulto, mais de 25 arrobas. Tinha o pêlo negro. Na fazenda, quando o bicho avistava o seu dono, era um corre-corre, queria pegá-lo.

O vaqueiro Valdemar dizia:

- Patrão, vosmecê deve vender este animal, qualquer dia, o bicho lhe dá uma pontada

Argemiro respondia:

- Que nada, Valdemar, deixe este cão raivoso aí, gosto de ver ele brabo, me dá prazer.

Valdemar insisitia:

- Patrão, bicho é como a gente gosta de carinho e de ser tratado bem. Assim como a gente na alma do animal fica a tristeza, o sentimento. A gente tem que respeitar os animais.

- Valdemar, você é besta, onde já se viu animal com sentimento.

- Patrão, tem. O senhor pensa que todo animal é como o cachorro que a gente bate e depois vem de rabo balançando, se aproxima, perdoando.

- Você tem cada conversa doida.

- O tempo dirá, patrão.

Era domingo, Valdemar ainda ordenava uma vaquinha. O boi de pêlo negro se encontrava no curral. O bicho, como sempre, manso com o vaqueiro e bravo com o patrão.

O animal, quando percebeu a presença de Argemiro, começou a cavar o chão.

Argemiro pegou um ferrão, para se proteger do animal. Quando foi abrir a cancela, Valdemar gritou:

- Patrão, pelo amor de Deus! Não entre. Este boi pode lhe matar!

- Ser morto por um boi, onde já se viu?

De repente, Argemiro entrou no curral. O boi partiu em cima de seu dono, não respeitou o ferrão. O animal jogou o patrão no ar. O sangue jorrou pela barriga.

O fazendeiro gritou suas últimas palavras:

Ai, ai, ai, meu Deus! Bem que eu fui avisado!